Categorias
Blog Textos

Chadwick Boseman não apenas interpretou heróis: para a comunidade negra, ele foi um

Na semana em que o mundo perdeu precocemente o ator Chadwick Boseman, vou trazer aqui um texto da jornalista Zoe Christen falando sobre como o ator foi mais do que um simples representante de heróis em filmes.


Toda vez que penso na “Pantera Negra” me recordo da primeira vez que vi o filme. Como uma estudante num colégio majoritariamente branco cristão, eu não apenas conhecia sobre as minorias, eu vivia aquilo. A união dos estudantes negros teve que fazer um esforço para conseguir ingressos para nós mas não há maneiras de descrever a energia naquele cinema. Era maior do que qualquer coisa que eu já havia sentido. A bateria da trilha sonora estremeceu a sala e diante de nós nas primeiras fileiras lá estava ele, Chadwick Boseman como T’Challa. A plateia gritou, se emocionou, bateu os pés… Eu conseguia sentir a vibração reverberando no meu peito. Pelos próximos seis meses, a cada estudante negro que eu cruzava no corredor nós nos cumprimentávamos fazendo o sinal de Wakanda. Nos sentíamos imparáveis.

A Pantera Negra de Boseman não era só um momento no tempo – para os negros nos EUA e além, parecia uma revolução. E para um homem lutando suas próprias batalhas longe dos holofotes, o ator lidou com o fardo desse status de uma forma linda e graciosa.

Nossa identidade como americanos negros nesse país tem sido sempre muito tensa, cheia de contradições e dualidades. Nossa existência constantemente ameaçada e subtraída. A alegria foi e continua sendo difícil de conseguir no meio dessa batalha sem fim sobre as nossas vidas. Perder um ícone como T’Challa nesse momento difícil parece uma traição, mas nós temos que lembrar que o legado que Chadwick Boseman deixou não é somente os personagens que ele interpretou e sim a vida de talento, a gentileza, o homem alegre que inspirou tantas pessoas que ninguém saberá.

Em 2018, o ator esteve na graduação dos estudantes da Universidade de Howard. No discurso, nervoso e empolgado, ele desafiou a plateia a achar as suas paixões e os seus propósitos independentemente das falhas ou da dor da derrota. Na frente da multidão cheia de rostos negros, ele disse: “Propósito é o seu elemento essencial. É a razão que você está nesse planeta neste exato momento da história. A sua própria existência está embalada nas coisas que você está aqui para preencher.”

A existência de Chadwick Boseman foi cheia de alegria natural. E nós não iremos esquecer que enquanto ele lutava pela própria vida, ele cedeu essa alegria para nós.


Texto original da Zoe Christen na Mel Magazine.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *